12/12/17

Encontro Cidadania na Enfermagem - Evento Fevereiro de 2018

Os promotores do Blogue Cidadania na Enfermagem desejam promover um encontro de Enfermeiros onde se pretende debater e aprofundar algumas temáticas, nomeadamente :

- Desenvolvimento, regulamentação e controlo do exercício profissional
- Ensino e formação
- Valor económico dos cuidados de Enfermagem

Neste sentido gostaríamos  de saber do interesse dos colegas na participação neste evento ?

Solicitamos envio de mail para cidadanianaenfermagem@gmail.com para manifestar interesse na participação (Sim, Não, talvez).

24/11/17

Ordem dos enfermeiros - As Assembleias das 48 horas

Parece que a exceção quer impor o caminho para regra…

Para o passado fim-de-semana, dia 17 de Novembro foram convocadas irregularmente três Assmbleias de Colégios Enfermagem Especializada de Saude Mental e Psiquiátrica (EESMP), Enfermagem Especilizada de Saude Materna e Obstétrica (EESMO) e Enfermagem Especializada de Saude Infantil e Pediátrica (EESIP).

De facto o anúncio destas Assembleias foi colocado na tarde de 5ª feira, dia 15, durante a tarde, no Site da OE e anunciadas no item NOTICIAS na qual remetia para a convocatória e documentos na área reservada.

Ora neste quadro a convocação das referidas Assembleias foi ferida de irregularidade porque não respeitou o tempo mínimo das 48 horas e não foi enviada aos membros do colégio a convocatória conforme prevê o Regimento no seu artigo 7º, ponto 5.

Alertada para esta situação na Assembleia do Colégio de EESMP que se realizou às 9.00h, em Leiria, no IPL a Mesa do Colégio tomou, e bem, a decisão de encerrar a Assembleia e anunciar que convocaria para breve uma nova Assembleia o que já concretizou convocando para o próximo dia 25 cumprindo o estipulado no Regimento.

Ao que se sabe igual caminho seguiram as duas outras Assembleias que se realizariam de tarde no mesmo local.

Mas sendo este o aspecto formal que importa salvaguardar no funcionamento de qualquer organização cujo funcionamento obriga ao respeito das regras democráticas, nomeadamente no assegurar o direito de participação, estas ganham corpo pelas condições que devem ser asseguradas por quem tem a responsabilidade de dirigir a organização.

Convocar Assembleias com 48h de antecedência, sem apresentar qualquer justificação da sua emergência é imoral e conduz a que seja objectivamente interpretado como a vontade de impedir a participação dos membros nas decisões que lhes dizem respeito.

Por isso temos o direito de nos questionarmos quem tem medo de quem? Será que não se quer ouvir, partilhar e decidir coisas que possam não ser aquelas que quem dirige a OE quer impor?

Mas … mais um dado para refletirmos: estas Assembleias dos Colégios têm como finalidade principal a votação da alteração ao programa formativo que dará suporte à atribuição do título de especialista. Ora esta matéria é estruturante e para a sua apreciação é imperativo a clarificação do quadro global decorrente do Estatuto e que estabelece as condições para a atribuição do título de especialista. Ora esse quadro global não está traçado nem aprovado em Assembleia Geral o que conduz a que se aprovem Regulamentos parcelares sem o necessário enquadramento global que dê coerência ao todo.

Não basta cumprir calendário é necessário salvaguardar a coerência e inteligibilidade do sistema para que cada um possa nele rever-se.

Pois foi no mesmo dia 17 que foi colocado em discussão pública o Regulamento de atribuição de títulos a qual termina no dia 17 de Dezembro.

Estamos a falar de questões estruturantes para o futuro de médio e longo prazo que influenciará o desenvolvimento da profissão. Participar é essencial.


Voltaremos em breve a esta matéria

31/10/17

FÓRUM

Este novo espaço do blogue convida os seus leitores a expressar as suas opiniões sobre áreas de interesse para a Enfermagem em particular e para a Saúde em geral, tendo sido selecionadas alguma consideradas prioritárias:
- Qualidade e segurança dos cuidados
- Desenvolvimento, regulamentação e controlo do exercício profissional
- Gestão e organização do trabalho
- Actividade clínica e o principio da autonomia
- Ensino e formação
- Investigação fundamental e aplicada
- Olhares externos à profissão
- Valor económico dos cuidados de Enfermagem
- A Enfermagem portuguesa no contexto internacional
O blogue pretende promover a partilha de opiniões e debate sobre esses temas e por isso, desde que os autores se identifiquem bem como a que área se referem,  façam-nos  chegar os seus textos por
e-mail cidadanianaenfermagem@gmail.com, de preferência não muito longos e de fácil leitura, suscitando o comentário. O objectivo é potenciar a partilha de opiniões entre todos os que se interessam pela Enfermagem em particular e pela Saúde em geral!

Não deixe de participar!

08/10/17

MANIFESTO - Enfermagem: Reafirmar os Valores Essenciais

ENFERMAGEM: REAFIRMAR OS VALORES ESSENCIAIS


A enfermagem portuguesa tem vivido nos últimos tempos circunstâncias que desocultaram, junto da opinião pública, os factores objectivos de descontentamento, de discriminação por medidas avulsas que, ao longo dos anos, foram tomadas no quadro da saúde face às várias profissões.

Emergiram também, com particular acuidade, carências reais face ao número e à valorização de competências de enfermeiros nos serviços onde prestam cuidados, com a consequente sobrecarga e cansaço que daí advêm e com o manifesto prejuízo dos utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS). 

Assim, a profissão decidiu reagir, legítima e justificadamente, à continuada indiferença politica a que foi votada durante um longo período de tempo. 

Porém, nos momentos de conflito só se projecta solidamente no futuro e se afirma o mandato social das profissões se os discursos e as acções forem eticamente enquadráveis e se a segurança dos cidadãos estiver salvaguardada. 

Em síntese, se a conduta profissional, de todos e de cada um, em qualquer lugar e em todos os momentos, for ética e deontologicamente irrepreensível. 

Os signatários entendem que as causas objectivas subjacentes ao movimento aglutinador são antigas, profundas e compreendidas por uma parte significativa de cidadãos. Essas causas exigem a definição urgente de um calendário resolutivo compreensivo, coerente e duradouro, que reponha o equilíbrio da profissão de enfermagem com as demais profissões da saúde. Exige-se um compromisso inteligível que recupere os valores essenciais da profissão. 

Há, porém, situações que carecem de soluções de imediato e de curto prazo que devem ser assumidas pelos governantes e pelas organizações sindicais representativas dos enfermeiros, em resposta às legítimas expectativas dos enfermeiros e que demonstrem respeito pela dignidade da profissão e o valor social do trabalho dos enfermeiros.

Face ao que fica dito, os signatários entendem dever reafirmar os valores essenciais da profissão que devem ser salvaguardados, tanto nas soluções, como na forma de as encontrar:

- a enfermagem existe porque os cidadãos, sãos ou doentes, necessitam de cuidados de enfermagem e é exclusivamente por esta razão que a profissão evoluiu, ao longo das últimas décadas, a nível da formação, da intervenção nas equipas de saúde e na participação na definição das políticas de saúde, posicionando-se, com igual grau de dignidade e autonomia, a par das restantes profissões desaúde;

- a enfermagem é uma profissão cuja essência se centra em garantir aos cidadãos os cuidados que necessitam, capacitando-os para fazer face a situações que, por si só, não têm a capacidade para poderem resolver. Por isso os enfermeiros, de acordo com o seu Regulamento do Exercício Profissional, apoiam, promovem e/ou substituem as pessoas, de acordo com as suas necessidades, ao longo do ciclovital;

- a prática profissional dos enfermeiros garante sempre a segurança dos que lhes confiam os seus cuidados, assegurando sempre a continuidade dos mesmos, jamais defraudando a confiança dos seus utentes; 

- o enfermeiro exerce com autonomia e responsabilidade, em complementaridade com outros profissionais de saúde, colocando sempre os interesses dos que cuidam no centro das suas intervenções, dever este expresso na DeontologiaProfissional. 

Perante o quadro de referências anteriormente revisitado, reforçando que os valores éticos e os deveres deontológicos se devem sobrepor sempre a situações conjunturais que indubitavelmente exigem medidas de correção urgentes, os signatários apelam:

- aos utentes do SNS, para que procurem aprofundar as razões do descontentamento dos enfermeiros e para que compreendam que, em última análise, as suas reivindicações visam o fortalecimento dos seus direitos; 

- ao poder político, às organizações profissionais e aos enfermeiros que, no decurso do actual processo reivindicativo evitem, a todo o custo, qualquer evento que possa comprometer a confiança e a segurança dos cidadãos no SNS; 

- aos enfermeiros que se revejam neste manifesto, para que aceitem o desafio de aprofundamento de uma estratégia justa e duradoura, demonstrativa do valor dos cuidados de enfermagem, para os ganhos em saúde suportados pela formação, gestão, investigação e regulação; 

- a todos os profissionais de saúde que se identifiquem com este manifesto, para que, no respeito pela autonomia de cada um, cooperem de forma inteligente na definição dos caminhos que potenciem o valor acrescido da multiprofissionalidade e multidisciplinaridade, sempre com a finalidade de mais e melhores respostas às necessidades em saúde dos nossos concidadãos e, desse modo, influenciar as politicas de saúde que as devem suportar.

 Lisboa, 9 de Outubro de 2017


Primeiros Signatários: Para também ser signatário deste manifesto envie-nos um mail para cidadanianaenfermagem@gmail.com ,  com o seu  nome e localidade.
Amaro Silva Pinto – Santiago do Cacém, Ana Cláudia Crispim – Lisboa, Ana Maria Grosso – Lisboa, Ana Loff – Lisboa, Ana Pereira Campos – Lisboa, Ana Sara Alves de Brito - Lisboa, António Balas Simões – Lisboa, António Manuel Silva - Porto, António Sampaio Dias – Vila Franca de Xira, Antunes Nabais - Lisboa, Armandina do Carmo Antunes – Lisboa, Artur Manuel Caretas Lopes – Portalegre, Artur Marona Beja - Lisboa, Bruno Noronha Gomes - Lisboa, Carla Bernardino – Torres Vedras, Carlos Pinto – Porto, Catarina Alves – Lisboa, Celeste Carvalho – Funchal, Cipriano Justo – Ex Sub-Director geral da Saúde, Lisboa, Conceição Martins – Fundão, Delfim Oliveira – Porto, Fernanda Maria do Carmo Luís – Lisboa, Fernanda Maria Deus Faleiro – Faro, Generosa Matias – Lisboa, Graça Eliseu – Évora, Graça da Silva Machado – Ponta Delgada, Helena Quintanilha – Lisboa, Ilda Ferreira Baptista Silva Veiga – Santarém, Ilda Gonçalves – Santarém, Ilda Maria Batista Real Ribeiro – Évora, Ilda Maria Rodrigues Lourenço – Lisboa, Isabel Maria Brito Pão Alvo – Lisboa, Isabel Mendes – Lisboa, Jacinto Oliveira – Coimbra, João José Santos Fernandes - Lisboa, João Quintela – Lisboa, João Quintinha – Lisboa, Jorge Gamito – Lisboa, José Aranda da Silva – Ex Bastonário da Ordem dos Farmacêuticos, Lisboa, José Carlos Rodrigues Gomes – Leiria, José Carlos Santos – Coimbra, José Manuel Lúcio Chora – Évora, Júlio Branco – Caldas da Rainha, Júlio José Pinto Gomes - Sesimbra, Licínia Sebastião – Almada, Lígia Maria Coutinho Pereira Rogado – Lisboa, Lisete Fradique Ribeiro – Lisboa, Lubélia Maria Rodrigues Melo – Lisboa, Lucília Rosa Mateus Nunes – Setúbal, Luís Gonzaga Quental – Torres Vedras, Manuela Amaral – Lisboa, Manuela Santos – Paços de Ferreira, Margarida Filipe – Matosinhos, Margarida Valente – Lisboa, Maria Amélia Gracias – Portimão, Maria Augusta Sousa - Lisboa, Maria de Lurdes Nunes Pereira Almeida – Lisboa, Maria Deolinda Antunes Luz Lopes Dias Maurício – Lisboa, Maria do Céu Barbieri – Porto, Maria Dulce Mendes Gonçalves – Lisboa, Maria Filomena do Rosário Rafael Martins – Faro, Maria Helena Clara Simões – Lisboa, Maria Isabel Ramirez Sanchez – Lisboa, Maria José Dias Pinheiro - Lisboa, Maria José Viana D’Almeida – Lisboa, Maria Teresa Carneiro – Lisboa, Maria Teresa Rebelo – Lisboa, Mariana Fernandes Pinto da Costa – Lisboa, Marta Lima Basto – Lisboa, Mavilde Conceição Alves Vitorino – Lisboa, Mercedes Bilbao - Lisboa, Nuno Álvaro Caneca Murcho – Faro, Patrícia Silva – Lisboa, Paula Cristina Barbedo Carmo – Vila Nova de Gaia, Paula Cristina Lourenço – Lisboa, Pedro Aguiar - Lisboa, Pedro Filipe Nunes Negrão Vasconcelos – Setúbal, Raquel Fragata – Lisboa, Renato Barros – Paredes, Rogério Celestino Gomes Gonçalves – Lisboa, Rosa Varanda – Torres Novas, Rui Carlos Bastos Santos – Lisboa, Sérgio Antunes de Carvalho – Portalegre, Sérgio Joaquim Deodato Fernandes – Lisboa, Susana Maria Sobral Mendonça – Lisboa, Teresa Oliveira Marçal - Lisboa, Teresa Rosa Guerreiro – Santarém.

Novos signatários (em atualização permanente): Alexandrina Rodrigues – Lisboa, Américo Reis – Porto, Ana Bento – Póvoa de Sta. Iria, Ana Carla Coelho – Évora, Ana Cristina Ferreira Teixeira – Cinfães, Ana Cristina Gomes Lopes Pereira Nero – Lisboa, Ana Cristina Ranha Santos – Amadora, Ana Filipa da Silva Leite – S. João da Madeira, Ana Filipa Pereira Gonçalves – Faro, Ana Maria Barros Pires – Beja, Ana Maria Gordino – Castelo Branco, Ana Paula Alves da Silva – Almada, Ana Paula Eusébio – Lisboa, Ana Paula Gato – Setúbal, Ana Paula Santos Silva - , Ana Sofia Costa Caixeiro – Évora, Ana Vermelho – Vila Nova de Gaia, Anabela Madaleno – Lisboa, Anabela Rodrigues da Silva Dias – Loures, Anabela Salgado Serra – Figueira da Foz, André Beja – Sintra, Andreia Milene Bengalinha Neves – Ericeira, António Fonseca – Covilhã, António Pinto – Abrantes, António Santos da Conceição Machado – Vila Nova de Gaia, Arminda Monteiro – Cascais, Armindo Guerra Liberal – Vila Real, Artur Jorge Correia de Almeida – Mangualde, Áurea Andrade – Coimbra, Bárbara Rodrigues Saloio – Santarém, Bonifácio Gouveia – Porto, Carla Cristino – Lisboa, Carlos Manuel Rosa Almeida – Castelo Branco, Cármen Salpico – Lisboa, Catarina Cardoso Fonseca – Aveiro, Catarina Dores Batuca – Lisboa, Cecília Ramos – Maia, Celso Filipe Boto da Silva – Portalegre, Cláudia Lampreia – Lisboa, Cristina Carochinho – Évora, Cristina Carvalho – Lisboa, Cristina Maria da Costa André Correia – Cascais, Daniel Francisco Santos Rodrigues – Vila Franca de Xira, Domingos Malato – Barreiro, Edgar Manuel Prazeres Duarte Canais – Sintra, Elisa Melo – Coimbra, Elisabete Lopes – Viseu, Elisabete Maria Gomes Barreira – Bragança, Emília Rodrigues – Viseu, Eugénia Mendes – Bragança, Fernanda Maria Gomes da Costa Teixeira Marques – Setúbal, Fernanda Pereira – Coimbra, Fernando Júlio Pinto – Viseu, Fernando Manuel Cordeiro Ferreira Gomes – Coimbra, Filipe Plácido Santos – Cascais, Filipe Rodrigues Mendes Marcelino – Coimbra, Glória Butt – Gafanha da Nazaré, Graça Quaresma – Lisboa, Graça Tavares – Coimbra, Guadalupe Simões – Faro, Helena Almeida – Barreiro, Helena Évora Justino – Odivelas, Helena Henriques – Almada, Helena Isabel Domingos Jorge – Santarém, Helena Lagartinho – Cascais, Helena Policarpo – Senhora da Hora, Hugo Alexandre da Silva Raimundo – Coimbra, Hugo Caldeira – Castelo Branco, Idalina Bordalo – Lisboa, Ilzy Santos Pereira - , Inês Pereira – Elvas, Isabel Batalha – Santarém, Isabel Cordeiro Aguiar – Ponta Delgada, Isabel Lopes – Ílhavo, Isabel Maria Correia S. Bem-Haja – Coimbra, Isabel Sequeira – Porto, Joana Correia Pires – Lisboa, João Domingos – Caldas da Rainha, João Filipe Fernandes – Coimbra, João José de Sousa Franco – Coimbra, João Paulo Baptista Zacarias – Carnaxide, João Paulo Batalim Nunes – Lisboa, Joaquim Manuel Silva Carvalho – Azeitão, Jorge Manuel Rebelo – Cascais, José António Catarino Rodrigues – Serpa, José Carlos Martins – Coimbra, José Carlos Nelas – Coimbra, José Feliciano - , José Júlio Sardinheiro – Faro, José Manuel Lopes – Lisboa, José Teixeira de Freitas – Ponta Delgada, Juan Carvalho – Funchal, Júlia da Piedade Rodrigues – Braga, Lúcia Graça Pinto – Bragança, Luís Graça – Viana do Castelo, Luísa D’ Espiney – Lisboa, Luísa Maria Lima Nogueira – Amadora, Mafalda Girão – Amadora, Manuel José Lopes – Évora, Manuela Néné – Lisboa, Mara Rocha – Viana do Castelo, Margarida Martins – Figueira da Foz, Margarida Ribeiro - , Maria Antónia Alves – Vila Real, Maria Antónia Fernandes Caeiro Chora – Évora, Maria Antonieta Vicente Mendes Murcho – Faro, Maria da Graça Ribeiro – Viseu, Maria Assunção Moz Carrape – Lisboa, Maria da Conceição Rodrigues dos Santos – Castelo Branco, Maria da Glória Vieira da Silva – Porto, Maria do Carmo Bispo Baltar – Cascais, Maria do Rosário Ferreira de Almeida – Lisboa, Maria Filomena Abreu Sousa – Lisboa, Maria Franco – Évora, Maria Helena Neves – Grândola, Maria Helena Rebelo – Viseu, Maria Helena Xavier – Lisboa, Maria Jacinta Aguiar – Elvas, Maria Lurdes Teixeira – Coimbra, Maria Madalena Trindade Abranches – Lisboa, Maria Maia – Lisboa, Maria Manuel Martins Santos Pinto – Lisboa, Maria Manuela Rodrigues Tavares – Portalegre, Maria Margarida Rego Pereira – Ponta Delgada, Maria Salomé de Matos Camarinha – Elvas, Maria Teresa Antunes – Lisboa, Maria Violante Nunes – Setúbal, Mariana Grácio Fernandes – Lisboa, Mário André Macedo – Seixal, Michel Stephen Silva – Viseu, Mónica Pereira – Cascais, Natércia Mendes Caramujo – Évora, Nelson Guerra – Lisboa, Nelson Miguel Sampaio Pinto – Fafe, Nuno A. F. Simões – Barreiro, Nuno Filipe da Costa Gomes Agostinho – Paços de Ferreira, Nuno Manjua - Faro, Nuno Tiago Simões Delicado – Setúbal, Olga Maria Costa e Silva de Melo Cabral – Ponta Delgada, Palmira Silva – Lisboa, Paulo Baltazar – Lisboa, Paulo Monteiro – Oeiras, Pedro Melo – Porto, Pedro Miguel Letras Lopes – Seixal, Pedro Miguel Martins Fernandes Guerreiro Rosa – Oeiras, Rafael Efraim Alves – Lisboa, Raquel Alexandra Castelo – Lisboa, Ricardo Dias – Angra do Heroísmo, Roberto Fernandes – Lisboa, Rosália Marques – Seixal, Rudi Neves – Oeiras, Rui Inês – Lisboa, Rui Miguel Gouveia Félix – Lisboa, Sandra Catarina Assunção Costa – Setúbal, Sandra Panelas – Lisboa, Sandra Xavier – Lisboa, Sandy Severino – Lisboa, Susana Cristina Domingos Gaspar de Sá – Carnaxide, Susana Cristina Henriques Abrunhosa Pires – Lisboa, Susana Cristina Silvestre Alexandre - Vilar Formoso, Susana Maria dos Reis Vilhena Rosa – Setúbal, Teresa Amélia Carvalho – Lisboa, Teresa Branco – Setúbal, Teresa Candeias – Amadora, Teresa Dotti – Lisboa, Teresa Teixeira – Lisboa, Tiago Miguel Lourenço Farinha – Sintra, Vânia Pinto Lameira – Lisboa, Zélia Leal – Paços de Ferreira.